No próximo mês Março, as seis entidades responsáveis pela constituição do Código de Boas Práticas Comerciais para a Cadeia de Abastecimento Agroalimentar (APED, CAP, CCP, CIP, CONFAGRI, CNA) irão promover uma acção pública de assinatura das primeiras empresas aderentes que irá contar com o apoio do Ministério da Agricultura e da Economia.

Se a sua empresa entender subscrever, nesta fase inicial, terá que o formalizar até 15 de Fevereiro ( http://www.boaspraticas.pt/subscrever) através do envio da Carta de intenções assinada e com o logótipo da empresa (submissão on-line e o original deverá ser enviado por correio).

Após o envio da carta de intenções existe um período de até 6 meses para completar o Registo formal (se carregar em SUBSCREVER é visível a informação solicitada). No entanto, estes dois processos podem ser feitos em simultâneo ficando o processo de adesão concluído de imediato.

Recordamos que a adesão é voluntária e gratuita e poderá ocorrer quando as empresas assim entenderem, mas as primeiras a aderirem, por estarem nessa condição de "pioneiras", terão um maior destaque.

 PORTAL 

Relembramos que as empresas têm ao seu dispor o Portal www.boaspraticas.pt

Este Portal constitui uma ferramenta indispensável ao processo de implementação do Código de Boas Práticas Comerciais para a Cadeia de Abastecimento Agroalimentar, e disponibiliza aos operadores económicos toda a informação sobre o Código e respetivo processo de adesão

(http://www.boaspraticas.pt/subscrever

e

http://www.boaspraticas.pt/uploads/fotos_artigos/files/Carta_intencao.docx).

O Código vem complementar o enquadramento legal já existente, é o resultado de um compromisso entre seis entidades, representativas de todos os elos da cadeia agroalimentar (APED, CAP, CCP, CIP, CONFAGRI, CNA) e foi homologado pelo Governo.


Sobre o Código:

O Código de Boas Práticas Comerciais tem como objetivo a melhoria do relacionamento comercial entre agentes económicos, fundamental para assegurar um desejável equilíbrio e cooperação entre as partes.

Os operadores económicos (empresas) do sector agroalimentar são incentivados a inscreverem-se, de forma a beneficiarem plenamente das disposições da mesma.

 Para o fazerem, as empresas devem respeitar os princípios de boas práticas nas relações comerciais e os requisitos que visam a integração destes nas suas operações diárias.

 Em última análise, espera-se que o Código crie uma verdadeira cultura de mudança e que beneficie todos os intervenientes na cadeia de abastecimento agroalimentar.