Num momento em que se discute o futuro da PAC 2021-2027, e se aproximam as eleições para o Parlamento Europeu, os países do Sul da Europa devem concertar posições para defender o futuro da agricultura de regadio na União Europeia, essencial à produção de alimentos a preços competitivos, à fixação das populações no território e à proteção do Ambiente.

A Federação Nacional de Regantes de Portugal acaba de divulgar um comunicado onde reconhece que a PAC 2021-2027 deve ter como critérios de prioridade os apoios ao investimento em regadio, incentivando os agricultores a atingir metas ainda mais ambiciosas de eficiência do uso da água e não centrar os esforços no “corte cego” do uso da água em agricultura.

A FENAREG dá como exemplo o caso de Portugal, onde a produtividade da água na agricultura aumentou 70% nas últimas décadas, graças à utilização de novas tecnologias de rega e à modernização das infraestruturas de regadio, sendo crucial que a PAC continue a apoiar a agricultura de regadio rumo à eficiência do uso da água e da energia.

Neste sentido, a FENAREG defende que a PAC para o período 2021-2027, e em concreto os apoios do FEADER, devem ser pautados pelos seguintes critérios:

Apoiar investimentos com base no aumento da produtividade económica da água (ou seja produzir mais kg de determinada cultura agrícola com o mesmo volume de água) e não com base na poupança de água obtida, conforme defende a atual proposta da Comissão Europeia. Esta exige aos agricultores que reduzam o volume de água de rega para pelo menos 50% do potencial de poupança, o que pode originar quebras da produção agrícola.

Apoiar investimentos que garantam o aumento dos níveis de eficiência do uso da água e não uma redução nos volumes de água utilizados. Esta restrição proposta pela CE limita o acesso aos apoios para modernização de Aproveitamentos Hidroagrícolas e para construção de novos empreendimentos de regadio, ambos essenciais ao desenvolvimento do regadio em Portugal e no Sul da Europa.

Considerar a eficiência do binómio água-energia, uma vez que os sistemas de rega de precisão são mais eficientes no consumo de água, mas requerem maior consumo de energia.

Estas medidas fazem parte de um estudo mais amplo, encomendado pela FENAREG, enquanto contributo para a definição de uma Estratégia Nacional para o Regadio em Portugal.

O estudo estima que serão necessários 1.700 milhões de euros de investimento no setor do regadio em Portugal até 2027, e será apresentado aos candidatos portugueses ao Parlamento Europeu.


Fonte: FENAREG